O que há por traz dos codinomes de (Projetos) de M&A?

Análise recente da Intralinks dos codinomes utilizados em operações de M&A descobriram que esses nomes podem não ser tão eficazes quanto se pensa.


27/12/2014

"O que há por traz de um nome?
O que chamamos rosa teria o mesmo cheiro com outro nome;"
“Romeu e Julieta” Ato 2, Cena 2

O que águias, fênices e falcões têm em comum? É claro que são todos nomes de aves (uma reconhecidamente mitológica), mas para os negociadores de fusões e aquisições (M&A), eles também podem soar familiar por outra razão: representam três dos dez codinomes mais mundialmente populares para os deals.

Uma negociação típica de M&A pode durar seis meses ou mais e envolve dezenas de pessoas e milhares de páginas de informações confidenciais. Durante esse tempo, é alto o risco de um vazamento prematuro da negociação. Conforme revelou um relatório recente da FireEye, empresa de segurança de TI, os cyber criminosos também têm sido alvo de banqueiros, advogados e clientes de M&A em busca de informações sobre discussões potenciais de M&A que possam afetar os preços das ações das empresas envolvidas.

História dos codinomes das negociações de M&A
Para tentar manter o segredo durante o processo de M&A, os negociadores geralmente atribuem um codinome para cada transação ou projeto de M&A e devem usar apenas o codinome durante as comunicações sobre a transação.

No entanto, uma análise recente da Intralinks dos codinomes utilizados por quase 17.000 transações de M&A que utilizaram um Data Room Virtual (VDR) desde 2009 descobriu que esses codinomes podem não ser tão eficazes quanto se pensava e podem até mesmo estar colocando as negociações em risco.

A escolha de um codinome para uma nova negociação de M&A é um rito de passagem que geralmente é deixado para o membro mais jovem da equipe de investimento financeiro ou jurídica do cliente. Da mesma forma que muitos, se não a maioria, dos indivíduos tendem a escolher a mesma senha para todas as contas ou serviços online. A falta de imaginação, ou talvez a psicologia humana, parece ser responsável por um agrupamento curioso dos codinomes de M&A descoberto por nossa análise.

Principais codinomes por região
Os dinossauros ainda governam a Terra (bem, através de seus descendentes, as aves): assim como englobam três dos dez principais codinomes, uma ave também ocupa o primeiro lugar, com Águia sendo o nome mais frequentemente utilizado mundialmente, bem como na América do Norte. Por ser a ave e o animal símbolo dos EUA e o elemento central do Grande Selo do país, a popularidade da águia talvez seja compreensível. No entanto, seu apelo não é universal (confira o infográfico abaixo).

Enquanto a águia voa alto na América do Norte, ela perde altitude rapidamente à medida que atravessa o Atlântico rumo à Europa, Oriente Médio e África (EMEA). Sua popularidade lá é metade daquela vista na América do Norte, com Azul substituindo Águia como o codinome mais frequente — talvez uma escolha subconsciente dos banqueiros de M&A europeus que reflete sobre os muitos problemas que afligem a Europa nos últimos anos: lentidão econômica, falências de bancos, crises de dívida pública e auxílios financeiros aos países.

No entanto, ainda que seja o terceiro codinome mais popular na região da EMEA, a jornada da Águia para a Ásia-Pacífico não é tranquila e cai ainda mais para o 10º lugar, antes de despencar completamente para o 147º na América Latina. Na Ásia-Pacífico, a Águia é derrubada do seu posto por Vênus, o segundo planeta do sistema solar e a deusa romana do amor e da beleza, e por Fênix, a criatura mitológica grega que ganha nova vida ressurgindo das próprias cinzas. Os banqueiros da América Latina preferem Andes, a maior cordilheira continental do mundo, que atravessa sete países da América do Sul indo da Venezuela, ao norte, até a Argentina, ao sul.

Frequência dos principais codinomes
Aves, cores, uma pedra preciosa, um deus grego, um animal em extinção e um planeta estão todos presentes na lista dos 10 codinomes mais usados mundialmente. São esses (por ordem de popularidade): Águia, Azul, Fênix, Alfa, Verde, Falcão, Tigre, Apolo, Diamante e Netuno (que juntos correspondem a 4% de todas as negociações).

Os banqueiros de M&A também parecem preferir codinomes que começam com determinadas letras — S é a mais popular (11% de todas as negociações), seguido por C (9% das negociações) e A (8% das negociações). Ainda mais fascinante é a tendência deles em escolher um codinome que tenha a primeira letra igual à do nome do cliente ou do alvo que esteja sendo vendido em uma negociação de M&A. Com exceção das negociações nas quais o nome do cliente começa com a letra X, para todas as outras letras do alfabeto, a primeira letra do nome do cliente também foi a letra mais utilizada para o codinome. 20% de todas as negociações compartilharam essa característica preocupante. Considerando que existem 26 letras no alfabeto inglês, a probabilidade de escolher um codinome que comece com uma letra específica aleatoriamente é de 1/26 ou 3,8%. Assim, em média, a escolha de um codinome é mais de cinco vezes propensa a começar com a mesma letra do nome do cliente do que aconteceria ao acaso. Para alguns nomes de clientes, o percentual é ainda maior. Os nomes de clientes que começam com a letra S compartilharam um codinome que começa com a mesma letra em 27% dos casos, enquanto esse compartilhamento caiu para 10% para os nomes de clientes que começam com a letra J.

"Há algo de podre no reino da Dinamarca" (Hamlet, Ato 1, Cena 4)
Por que isso deve ser uma preocupação? O uso excessivo dos mesmos codinomes para diferentes negociações de M&A, e o uso de codinomes cuja primeira letra é igual à do cliente ou alvo em uma negociação podem comprometer a segurança, por exemplo, ao aumentar a possibilidade de que informações confidenciais sejam enviadas para a pessoa errada ou ao permitir que hackers ou bisbilhoteiros fortuitos possam adivinhar com mais facilidade os nomes das empresas envolvidas quando eles têm acesso a outras informações parciais sobre uma negociação.

Há mais de 60 espécies diferentes de águias e para um observador de pássaros inexperiente, às vezes pode ser difícil distinguir entre elas. Felizmente, para o observador de pássaros, confundir a águia-real com a águia-de-cabeça-branca resulta apenas em um leve constrangimento. Para banqueiros iniciantes sob pressão e trabalhando várias horas em múltiplas negociações, confundir uma águia com a outra por ser mais desastroso. Enviar informações confidenciais de um Projeto Águia para as pessoas de um Projeto Águia diferente, ou misturar as informações ou os compradores destinados a um data room com outro, resultará em mais que um leve constrangimento, possivelmente transformando um voo promissor em uma queda livre dramática. Voar como uma águia, caçar como um tigre e brilhar como um diamante pode parecer atraente, mas os profissionais de M&A que buscam um codinome para a próxima negociação devem estar cientes de que há muito mais aves no céu, animais na selva e pedras preciosas para escolher (embora as mulheres possam discordar desse último). Minha escolha pessoal favorita (na verdade, usada apenas uma vez na amostra de quase 17.000 negociações que avaliamos): vinho, de preferência um Borgonha branco fino.


Project names



Philip Whitchelo

Philip Whitchelo

Philip Whitchelo é Vice-Presidente de Estratégia e Marketing de Produtos na Intralinks.

Fique por dentro

Inscreva-se em nossa newsletter para receber análises de mercado e inspirações de liderança imperdíveis diretamente no seu e-mail. Esta newsletter será enviada em inglês.