Os Vazamentos de Deals em M&A Estão Aumentando? Relatório Anual da Intralinks Sobre Vazamentos de Deals em M&A de 2017


23/08/2017

2017 Intralinks Leaks Report

O Relatório Anual da Intralinks sobre Vazamentos em M&A de 2017®, que analisa e relata vazamentos de informações em transações de M&A globalmente no período de 2009-2016, acaba de ser publicado. Nesta postagem do blog, vou destacar alguns dos pontos principais.

Vazamentos de deals em M&A: estáveis ou configurados para aumentar?

 

 

 

Image
M&A deal leaks: stable, or set to increase?

 

 

 

Image
M&A deal leaks by region

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Target Listing Location 2016 (Rank) 2015 (Rank) 2009-2016 (Rank)
India 16.7% (1) 20.0% (1) 15.8% (1)
South Korea 16.1% (2) 5.3% (6) 10.2% (4)
Japan 12.0% (3) 3.1% (7) 5.1% (9)
United Kingdom 7.0% (8) 6.7% (5) 12.5% (3)
France 4.3% (9) 0.0% (9) 5.4% (8)
Canada 4.3% (10) 12.5% (4) 5.9% (7)

 

Vazamentos de deals em M&A por país: os três primeiros e os três últimos colocados

Nos dez países com mais atividade de M&A, os três principais países com mais vazamentos de deals em 2016 foram a Índia, a Coreia do Sul e o Japão (que nunca ficou posicionado acima do 6° lugar para vazamentos de deals em M&A nos últimos oito anos). Os três países no fim da lista por vazamento de deals em 2016 foram o Canadá, a França e o Reino Unido. A taxa de vazamento de deals em mercados onde o vazamento foi desenfreado há uma década, como o Reino Unido, foi reduzida consideravelmente - um reflexo de novas regulamentações contra o abuso de mercado (como o novo Regulamento da UE sobre o Abuso de Mercado, que entrou em vigor em 3 de julho de 2016) e uma aplicação regulatória muito mais rigorosa.

O que acontece quando os deals vazam: é tudo uma questão de dinheiro

Parece haver um benefício claramente notório para os deals serem vazados: maiores ágios da empresa-alvo resultando em avaliações mais altas, possivelmente como resultado do aumento da concorrência entre os compradores de empresas-alvo com deals vazados. No período entre 2009-2016, o ágio médio para deals vazados foi de 47% contra 27% para deals não vazados. Em 2016, uma média de US$ 21 milhões extras foram acumulados pelos acionistas das empresas-alvo em deals que vazaram.

Risco vs. recompensa: a atração pelos vazamentos de deals pode diminuir?

Em geral, na contra-mão dos benefícios percebidos, também devem pesar os riscos dos deals com vazamento Os reguladores financeiros em todo o mundo estão aumentando seus esforços contra o abuso de informação privilegiada (uma infração penal na maioria das jurisdições) e vazamento (nem sempre é uma infração penal em todas as jurisdições, mas cada vez mais uma infração regulatória que pode resultar em "insultos", multas ou suspensão de licenças para a prática de mercado).

Em 2016, a diferença na porcentagem do ágio para empresa-alvo com deals vazados vs. deals não vazados caiu mais do que pela metade em comparação com 2015. A taxa de ofertas concorrentes para empresas-alvo em deals vazados também caiu em 2016 em torno do mesmo nível do que para deals não vazados. Sendo assim, com os benefícios percebidos dos deals com vazamento diminuindo em 2016, e a aplicação da regulamentação contra o abuso de mercado aumentando, o interesse por deals com vazamentos poderia estar diminuindo? Envie um e-mail para mim com suas opiniões ou comentários: pwhitchelo@intralinks.com

Para saber mais sobre vazamentos de deals em M&A, você pode baixar o último Relatório Anual da Intralinks sobre Vazamentos em M&A de 2017 aqui.



Philip Whitchelo

Philip Whitchelo

Philip Whitchelo é Vice-Presidente de Estratégia e Marketing de Produtos na Intralinks.

Fique por dentro

Inscreva-se em nossa newsletter para receber análises de mercado e inspirações de liderança imperdíveis diretamente no seu e-mail. Esta newsletter será enviada em inglês.